Últimas Notícias

Curiosidade.: Brasileiro que inventou o BINA busca a justiça por bilhões de R$ em royalties!


Atualmente, todos os aparelhos celulares, sejam smartphones de última geração ou celulares mais simples, e diversos aparelhos de telefonia fixa possuem a funcionalidade "identificador de chamadas", que antigamente era conhecido como BINA. O BINA foi o primeiro aparelho identificador de chamadas a ser inventado e precisava ser conectado a um telefone fixo para funcionar. Acontece que um brasileiro afirma ser o inventor da tecnologia que permite a identificação de chamadas em aparelhos telefônicos e agora ele decidiu acionar a justiça em busca do pagamento bilionário de Royalties.

Nélio José Nicolai é natural de Minas Gerais, tem 71 anos, mora em Brasília e trabalhava na Telebrás - em Brasília - no final dos anos 70. Foi na Telebrás que, em 1977, Nélio começou a moldar o que viria ser o famoso BINA, que é na verdade é uma sigla para a frase "B identifica o número de A". Na época, o sistema do BINA não interessou muito à Telebrás e o motivo é simplesmente bizarro/tosco: a empresa achava que identificar o número de quem estava ligando seria uma INVASÃO DE PRIVACIDADE! OMFG! Ô_Ô.

Independentemente do posicionamento da Telebrás, Nélio continuou seu trabalho de desenvolvimento e em 1980 o primeiro protótipo do aparelho BINA, construído com o auxílio de uma calculadora simples, surgiu e a patente do projeto foi registrada no Inpi. O sucesso do projeto de Nélio veio no ano de 1982 depois de instalar quatro aparelhos BINA mais "robustos" em uma central do Corpo de Bombeiros, a fim de diminuir a quantidade de trotes.

De acordo com o site Gizmodo Brasil, "Nicolai aposta tudo, incluindo seus apartamentos e 'cotas' das indenizações que espera receber, em vitórias nas ações que ajuizou contra operadoras e fabricantes de aparelhos telefônicos - inclusive celulares." Calcula-se que, caso Nélio ganhe todas as ações ajuizadas, o inventor do BINA receberá cerca de R$ 200 Bilhões, tornando-se o homem mais rico do mundo!

Vale a pena ler a matéria completa da revista Galileu (link nas fontes deste post).



[Fonte: Gizmodo BR, Galileu]