Ads 468x60px

terça-feira, 6 de maio de 2014

Review.: Da água para o vinho: veja o que achamos de "Diablo 3: Reaper of Souls" e a nova atualização do jogo!


A primeira expansão de Diablo 3 já está entre nós: Diablo 3: Reaper of Souls foi lançada oficialmente no dia 25 de março, pouco mais de um mês, e já é um tremendo sucesso entre os jogadores de D3. É bem verdade que a franquia perdeu muitos seguidores devido a vários fatores, mas D3: RoS trouxe não só elementos novos como, também, uma atualização que mudou o jogo da água para o vinho! Sim, a nova atualização mudou o jogo drasticamente, só que para melhor... Muito melhor!

Como todo mega fã dos jogos da Blizzard Entertainment, principalmente da franquia Diablo, eu estava doido para colocar as mãos em uma cópia de Diablo 3: Reaper of Souls a fim de que nós do RN pudéssemos passar para vocês as nossas impressões sobre o jogo! Novamente, agradecemos publicamente à Blizzard e ao seu Gerente de Imprensa e Licenciamento no Brasil, Andre de Abreu, por terem nos disponibilizado uma cópia do jogo para a elaboração deste review!

Observações importantes

Revisamos muito este review para que ele não contivesse spoilers que pudessem estragar as principais surpresas do jogo, mas não garantimos que o review seja 100 % livre de spoilers (spoilers free). Algumas screenshots (clique nelas para ampliá-las) revelam características dos novos cenários e monstros elites, portanto considerem-se avisados e vamos nessa! ;-)

História

Antes de começar o review, vou fazer uma pequena introdução da história do jogo. Os acontecimentos de Diablo 3: Reaper of Souls se passam após a batalha que selou a vitória dos céus sobre os grandes demônios do inferno, aprisionados na Black Soulstone, e sobre o próprio Prime Evil (Diablo). Depois que o Diablo foi derrotado e o equilíbrio entre o céu e o inferno foi restaurado, Tyrael descobre que a Black Soulstone não pode simplesmente ser destruída, pois ela foi criada pelos homens - diferentemente das outras Soulstones - e os efeitos de sua destruição são desconhecidos. Diante desse dilema, Tyrael decide que o melhor a se fazer é esconder a Black Soulstone de tudo e de todos, mas um outro Arcanjo ficou sabendo de seus planos e decidiu acompanhar os seus passos bem de perto, aguardando a hora certa de agir. Esse outro Arcanjo nada mais é do que a própria morte, o ceifador de almas (Reaper of Souls), conhecido como Malthael.

Assim que Tyrael chega ao lugar que acha ser o esconderijo perfeito para a guarda da Black Soulstone, ele percebe a presença de Malthael só que tarde demais: a morte ceifa a alma de quase todos os guardiães que acompanhavam Tyrael e rouba a Black Soulstone. Antes do ataque, Tyrael pede a um dos guardiães que corra e vá procurar o Nephalen (você, jogador) para, novamente, tentar recuperar a pedra das almas roubada; é aí que o jogo começa!

Um novo Diablo 3: atualização 2.0.1 (versão atual, 2.0.4)

Começarei o review pelas principais mudanças feitas no Diablo 3 desde que o jogo foi lançado: a sua nova atualização. Quando eu disse que o jogo mudou drasticamente, eu não estava brincando ou falando no sentido figurado. O novo Diablo 3 não se arrume apenas à sua expansão e vocês vão entender o que estou falando.

Loot 2.0

Auction House (casa de leilões) era uma das principais funcionalidades do Diablo 3 e acabou se transformando em uma de suas maiores ruínas! O que parecia ser uma promissora fonte de venda e troca de itens, acabou se tornando na maior decepção dos jogadores. Afinal de contas, para que evoluir um personagem e correr atrás de um set de equipamentos se você pode, simplesmente, comprar os melhores itens online? Pior, por que não pegar o caminho mais fácil e, então, ganhar dinheiro com isso? Agora, isso tudo é coisa do passado e, depois de exorcizar seu pior demônio, Diablo 3 finalmente pode seguir em frente!

Um dos benefícios do final da Auction House é, sem sombra de dúvidas, a nova dinâmica de "loot" e sua taxa de itens lendários e sets (verdes) "dropados". Chega de ficar dias fazendo incontáveis "runs" em busca de itens lendários e, muitas vezes, sem achar nada; com o novo sistema de drops, os itens lendários têm uma chance muito maior de serem encontrados em qualquer partida, seja pública ou privada. O loot continua sendo individual, lógico, e para evitar o famigerado comércio de itens instituído pela Auction House, todos os itens lendários e sets são marcados com o atributo Account Bound assim que eles caem no chão, o que significa que o item ficará atrelado à conta do dono do loot, ou seja, de quem pegou o item inicialmente! Para o jogo não ficar tão engessado nesse sentido, a Blizzard adicionou um "tempo de partilha" em tais itens (lendários e sets), o que faz com que eles possam ser trocados/compartilhados entre os membros do grupo (party) por algumas horas; passado esse tempo, o item será atrelado à conta do jogador permanentemente! Infelizmente, acredito que esse seja um dos efeitos colaterais do fim da Auction House. Talvez, seja apenas uma resposta (defensiva) da Blizzard a um trauma causado pelo comércio de itens, mas que acabou criando um outro problema: a impossibilidade de compartilhamento dos itens. Tudo bem que isso é uma coisa bem simples de se resolver, basta trazer de volta o sistema de trocas (trades) do Diablo 2 (aquele onde um jogador convida outro para trocar itens e uma janela de troca se abre com botões de cancelamento ou concretização da troca).

Atributo "Account Bound" e tempo de troca em detalhes
Tempo de troca em detalhes
Outra coisa extremamente bacana no Loot 2.0 é que, agora, a grande maioria dos itens que caem de monstros, baús etc, são relacionadas com a classe do jogador ao qual o loot pertence, diferentemente do que acontecia na versão anterior do jogo onde os itens que caiam eram aleatórios! Não estou falando só daqueles itens específicos de cada classe, mas dos atributos presentes nos itens. Se você estiver jogando com a classe Demon Hunter, por exemplo, a probabilidade de um item encontrado possuir atributos como DESTREZA, INCREASED ATTACK SPEED (incremento na velocidade de ataque) e CRITICAL HIT DAMAGE (acerto de dano crítico) é muito maior; o mesmo se aplica para todas as outras classes do jogo.

Os itens raros sofreram melhorias absurdas e por diversas vezes o jogador fica em dúvida se deve usar um lendário ao invés de um item raro que acabou de encontrar. É isso mesmo que você leu: nessa nova atualização, muitos itens raros são melhores que os itens lendários do mesmo nível! Eu, mesmo, encontrei um Hand Crossbow raro que era bem melhor que meu arco lendário, um famoso WINDFORCE; encontrei, também, uma Quiver rara que é melhor que a lendária a qual eu estava usando, uma DEAD MAN'S LEGACY!

Outras novidades trazidas pelo Loot 2.0:
  • Todos os itens raros já caem identificados e o jogador só precisa identificar itens lendários e sets; 
  • Os jogadores não precisam mais clicar nas poções de vida para pegá-las no chão, basta passar por cima delas da mesma forma que é feita com o ouro (coleta automática - automatic pickup);
  • Itens lendários e sets podem cair de qualquer lugar, portanto não deixe de revirar os corpos, abrir os baús etc;
  • Agora, itens lendários dropados são marcados no minimapa com uma grande estrela laranja a fim de evitar que o jogador perca algum item precioso (esta novidade apareceu no patch anterior, mas ficou mais evidenciada agora).
Marcação de item legendário no Minimapa
Marcação de item legendário no Minimapa
Marcação de item lendário no Minimapa
Crafting e Jewelcrafting

Confesso para vocês que nunca levei muita fé no crafting do Diablo 3. Diferentemente do que acontece em jogos do estilo MMORPG (como WoW, Guild Wars 2, AION, TERA Online etc), onde a habilidade de crafting é um dos seus pontos altos, os itens produzidos em Diablo 3 eram fracos demais para o tanto de dinheiro e recursos gastos, e isso é um fato. Felizmente, isso mudou com essa nova atualização e, agora, o crafting no Diablo 3 passou a valer a pena. É claro que tudo depende da sorte do jogador e, assim como podem sair itens descartáveis, podem sair itens muito bons, mas a verdade é que a chance de conseguir um item bom é muito maior do que era na versão anterior do jogo, apesar de o crafting ainda ser meio fraco para personagens de nível baixo. Além disso, receitas de itens lendários são mais facilmente encontradas, o que dá uma popularidade maior ao nosso querido ferreiro!

Uma das novas gemas em detalhe
Com relação ao jewelcrafting, a atualização trouxe vários novos níveis de gemas e resgatou um famosa jóia que havia sido descartada da franquia Diablo: o Diamante! Agora, é possível criar gemas que fornecem mais de 150 pontos para os diversos atributos principais dos personagens (força, destreza, vitalidade e inteligência). Elas custam caro, sim, e o nível mais alto de uma gema pode ser obtido pela bagatela de 300k de gold. Com as novas jóias, o sistema de jewelcrafting passa a ser estratégico, quase que fundamental no aumento maciço de DPS (Dano Por Segundo), Life e resistências.

Nível máximo do personagem e níveis Paragon

Outras grandes novidades da atualização 2.0.1 dizem respeito aos níveis máximo e Paragon de um personagem. Agora, é possível evoluir um personagem até o nível 70 e INFINITOS níveis Paragon! É isso mesmo que você leu: enquanto você tiver paciência para "upar" o nível Paragon de seu personagem, poderá fazê-lo porque não há um limite para esse tipo de nível! Além disso, o nível Paragon do seu principal herói é compartilhado com todos os outros que você venha a criar ou já tenha criado, ou seja, se o seu personagem mais evoluído é um Demon Hunter com nível Paragon 30, esse nível 30 será agregado a todos os outros heróis da conta! Portanto, caso um novo herói seja criado, ele vai ser nível 1 e nível Paragon 30, o que, na minha humilde opinião, é algo fantástico!

Tela de distribuição de pontos Paragon
Antes, cada nível Paragon conquistado fornecia, apenas um incremento na chance de encontrar itens mágicos (Magic Find) e na quantidade de ouro "dropado"; agora, além de evoluir o personagem com a adição de pontos nos atributos, cada nível Paragon fornece um ponto distribuível para habilidades divididas em quatro categorias: núcleo, ofensivas, defensivas e utilidade. O bom é que, dependendo de como estiver o personagem do jogador, é possível limpar a distribuição atual e redistribuir os pontos de acordo com suas necessidades. Ah, e isso pode ser feito diversas vezes sem qualquer custo para o jogador; mais um ponto positivo!

A expansão: Reaper of Souls (RoS)

Tela que mostra as novidades trazidas ao Diablo 3 pela expansão
Agora que já falei sobre as principais alterações feitas no Diablo 3, vou dar início à resenha da estrela principal deste post: a expansão Reaper of Souls!
Como muitos de vocês já devem saber, a primeira expansão de Diablo 3 trouxe ao jogo uma nova classe de personagem, ou melhor, o "quase retorno" de uma classe já conhecida, um novo ato (ato V) e um novo modo de jogo. A nova classe em questão é a Cruzado (Crusader) e eu afirmei ser o "quase retorno de uma classe já conhecida" porque ela se parece com a nossa querida classe Paladino! Já o novo modo de jogo se chama Aventura (Adventure) e, nele, o jogador se torna um caçador de recompensas, devendo completar certas tarefas designadas por Tyrael para, enfim, receber seu prêmio. Depois eu falo sobre o Cruzado, primeiro vou falar sobre o Ato V e seus novos cenários e monstros.

Ato V

Nova interface de usuário do jogo mostrando o ato V (canto superior direito)
Novos cenários, novos monstros, novas quests, novos chefões e um ambiente muito mais sombrio; esses são os principais pontos que definem a contribuição do Ato V ao Diablo 3. Graficamente falando, os cenários ficaram bem bonitos e reforçam o ar demoníaco e sombrio da franquia. Os mapas ficaram gigantescos, privilegiando aqueles que não estão muito preocupados com "rush" e gostam de explorar os níveis até o fim, limpando-os por completo. Os novos monstros ficaram bem sinistros (vários são bastante bizarros) e os chefões são bem duros na queda, principalmente quando o jogador escolhe um dos níveis de dificuldade a partir do "Expert" (certifique-se de que seu DPS está acima de 500 K para poder enfrentar os monstros sem penar, quando o grupo estiver cheio). A quantidade de monstros por mapa também teve um aumento significativo e, muitas vezes, o jogador precisa explorar áreas pequenas para não chamar a atenção (vulgo, "agrar" - agro) de um grande número de monstros ao mesmo tempo.

Cenário do início do Ato V
Cenário do início do Ato V
Um dos novos cenários do ato V
Um dos novos cenários do ato V
Um dos novos cenários do ato V
Um dos novos cenários do ato V
Último cenário do ato V, antes do encontro com Malthael
Modo Aventura

Tela de seleção de modos de jogo
O modo Aventura só é desbloqueado após o jogador completar o ato V. Nele, os jogadores são convidados a completar uma série de quests em seis lugares diferentes; cada quest completada fornece um bônus de XP e uma recompensa. Assim que o jogador completa todas as quests de "caça à recompensa" em um determinado ato, Tyrael fornece uma caixa de relíquias como prêmio que, assim que aberta pelo jogador, "dropa" diversos itens (os itens são aleatórios)! O jogador pode sair de um lugar diretamente para outro bastando clicar em um dos waypoints disponíveis que ficam marcados no mapa, funcionalidade semelhante àquela presente no jogo Path Of Exile (basta apertar a tecla M para o mapa grande aparecer na tela).

Estilo do mapa do modo Aventura
Vira e mexe, um item chamado Rift Keystone Fragment (fragmento de pedra-chave da fenda) também é dado como recompensa para o jogador assim que este completa uma quest do modo aventura. Com cinco (5) desses itens, o jogador é capaz de abrir um portal para um lugar chamado de Fenda (Rift), que é excelente para garimpar itens e ganhar XP.


Item "Rift Keystone Fragment" em detalhe
Um dos cenários da "Fenda"
A Mística (Mystic) e o encantamento de itens (enchanting)

O encantamento de itens é uma das novidades introduzidas pela expansão. Com ele, é possível alterar os atributos de um item a partir de uma lista de opções disponíveis para aquele determinado atributo. Como sempre, o sistema é randômico e ao mesmo tempo que seu item pode ficar do jeito que você queria ele também pode ficar um lixo! Portanto, tenha em mente que o recomendável é sempre alterar um atributo que você não faça muita questão de ter no item ao invés de tentar melhorar um atributo que já satisfaça as necessidades de seu personagem, pois, assim, você não corre o risco de perder um atributo precioso (dá até para adicionar soquetes). Tudo bem que você pode sempre escolher o atributo anterior ao invés do novo, mas muitas vezes o gasto com ouro e material não compensam o esforço (dizemos isso por experiência própria).

Tela de escolha do atributo do item a ser alterado
Também é possível alterar a aparência do item (skin), o que pode ser feito através da aba "Transmogrify"; paga-se uma quantia em ouro, altera-se a aparência do item e, caso não goste, é possível voltar para a skin original. O jogador pode alterar a aparência de um item quantas vezes quiser, é só ter ouro de sobra que está tudo certo!

Tela mostrando uma nova skin disponível para alteração da aparência de um item
Tela de escolha da nova skin do item
A classe Cruzado (Crusader)

Tele de seleção de personagens - Crusader
O Crusader (vamos usar o termo em inglês, mesmo) lembra um pouco - e é bom deixar bem claro esse "um pouco" - o paladino do D2. O tema dessa classe é o de ter um personagem "pesado", com armadura completa e armas de grande "impacto". A arma especial do Crusader é o mangual (flail) e o efeito visual dentro do jogo é bem bacana. Efetivamente, existe até uma habilidade passiva (passive skill) que permite ao jogador utilizar uma arma de duas mãos mais um escudo na outra (off-hand). É claro que uma habilidade como essa tinha que ter algum efeito colateral e ele existe: quando ativada, a habilidade gera uma redução no bônus de velocidade máxima de movimento (maximum movement speed) de 25% para 10%, ou seja, deixa o personagem bem "pesado" mesmo!

Crusaders no Ato IV
Nota-se uma boa divisão de habilidades melee (corpo a corpo) e ranged (à distância), algo que quase não existe em nenhuma outra classe. Demon Hunter, Wizard e Witch Doctor são praticamente ranged, com algumas poucas habilidades que talvez permitam a utilização dessas classes em modo melee (ou, pelo menos, em uma distância melee); já com o Bárbaro e o Monk acontece exatamente o contrário! Em se tratando do Monk, não nos recordamos de habilidades que permitam ataques ranged; o Bárbaro até tem, mas as habilidades mais poderosas dessas duas classes são, sem sombra de dúvidas, melee. O Crusader tem uma mesclagem muito interessante dos dois tipos de habilidade e isso leva à construção de builds que capazes de explorar as vantagens de ser melee quando possível e ranged quando necessário. Obviamente, ela acaba não sendo a classe meele ou ranged mais poderosa, mas por ser possível jogar com os dois estilos ao mesmo tempo o jogador acaba tendo uma capacidade maior de permanecer vivo(a) em diversas situações de combate. Os diálogos do Crusader com os vários NPCs do jogo são bastante engraçados e reforçam bastante a ideia da classe. A forma como desenvolveram essa classe leva a pensar que quiseram explorar bastante a nova mecânica do jogo, implantada com o patch 2.0 (paragon compartilhado entre todos os personagens com possibilidade de distribuir pontos recebidos pelo paragon, diferentes bonus etc, coisas que já falamos no início deste review). Achamos, apenas, que alguns cooldowns são meio longos se comparados aos de habilidades de outras classes que possuem efeitos/objetivos similares; além disso, encontramos um bug em uma das habilidades primárias que é um tanto quanto chato: a detecção de colisão parece não estar 100% e muitas vezes a porrada não faz efeito algum, sendo necessário reposicionar o personagem OU utilizar outra habilidade.

De um modo geral, achamos MUITO bacana jogar com o Crusader.

Considerações finais (por Yuri)

Mensagem de conclusão do Ato V
Apesar de o jogo ter melhorado absurdamente, a mecânica mais falha de todas ainda continua e isso faz com que o item mais importante de todos seja a arma; resumindo, 100% das habilidades de ataque são baseadas no dano da arma e até algumas de defesa fazem o mesmo. O principal motivo de isso não ser uma coisa boa é que se torna bastante comum, principalmente quando o jogador ainda está evoluindo níveis dos personagens, o jogador encontrar um arco com grande DPS, por exemplo, e usá-lo com um wizard porque o dano da arma é maior. Wizard com espada nem é tão estranho, mas com arco é algo um tanto quanto... bizarro.

Por falar em itens, é bom desapegar de qualquer item LEGACY (itens conseguidos na versão anterior do Diablo 3), pois a nova dinâmica de valores das propriedades fez com que esses itens ficassem extremamente fracos e os transformassem em itens praticamente inúteis. A intenção dos novos itens é trazer de volta ao Diablo 3 o principal objetivo de inúmeras atualizações feitas anteriormente: a diversidade de builds. Aparentemente, a Blizzard conseguiu!

Veredicto (4,5/5)


Não tem como o "novo" Diablo 3 e sua expansão não receberem uma nota alta! O jogo mudou completamente e só melhorou, algo difícil de se ver no mundo dos jogos digitais. A qualidade dos cinematics e das ilustrações também merecem uma atenção especial por parte do jogador. O modo aventura é extremamente divertido e pode-se ficar horas e horas jogando-o sem cansar! O jogo só não ganhou nota máxima pelo fato dos itens legendários serem atrelados à conta do dono do loot, acabando com o compartilhando de itens entre amigos ou membros de guilda, e pela deficiência na inteligência artificial do jogo com relação à mudança do comportamento dos monstros nos diferentes modos de dificuldade (algo que, praticamente, não existe).

Sem sombra de dúvidas, a franquia Diablo voltará ao topo da lista de RPGs do estilo Hack and Slash. Na nossa opinião, a Blizzard tem ouvido as críticas dos jogadores e dos fãs de Diablo, e Diablo 3: Reaper of Souls é uma prova disso.

Lembrando que diversas screenshots e informações foram suprimidas deste review de forma proposital, pois a nossa intenção é não estragar as surpresas do jogo.

E então, o que achou do nosso review? Ficou com vontade de comprar o jogo?
Deixe seu comentário! ;-)

Nenhum comentário:

Postar um comentário