Ads 468x60px

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Review.: Diablo 3 Beta Gameplay: Primeiras impressões

Bom galera...
...ando mais feliz que o rapaz do Blastoise Freak Out!


(fiquei assim quando recebi o email da Blizzard e vi que não era SPAM!)

Motivo? Recebi uma key pro Beta do Diablo III. Jogador veterano e nerd que começou a jogar RPG eletrônico graças ao clássico Diablo, estou bastante emocionado.

Histórico

Diablo é um jogo/franquia de 15 anos, concebida pela pequena empresa Condor Games. O que era pra ser um RPG de turnos acabou se tornando um dos primeiros RPGs Hack´n Slash de tempo real e o jogo de forma indireta fomentou o crescimento da primeira rede de jogos online, a Battle.Net.




A Blizzard comprou a pequena Condor e a renomeou Blizzard North Studios. As vendas do Diablo tornaram a franquia o "carro chefe" da Blizzard, com 2.5 milhões de cópias vendidas.

A continuação, Diablo II, foi lançada após uma longa data e sua primeira semana de vendas rendeu a distribuição de 1 milhão de cópias, algo considerado absurdo (e recordista) para a época. Cinco classes básicas, árvores de habilidades, Battle.net expandindo rapidamente e armazenamento de personagens no servidor foram algumas das "features" que tornaram o jogo tão popular.

Três anos depois (2001), foi lançada a expansão Lord Of Destruction, garantindo mais tempo de vida ao Diablo e mostrando o empenho dos funcionários da Blizzard em manter o jogo atualizado com implementações e patches de correção, e balanceamento do jogo por durante nove anos após o lançamento do LOD. Duas novas classes e um ato com boss novo (Baal) foram adicionados.

Quando a Blizzard North Studios fechou, muitos aficcionados achavam que a franquia estava fadada a acabar, mas em 2008 a Blizzard reascendeu a chama e deu continuidade aos trabalhos com o Diablo III.

Visão Geral e Pré-Jogo

Isto pode soar como um "Yet, another Diablo III Review" mas não. Nesta primeira matéria vou me ater aos detalhes do jogo e não muito à mecânica dele.

Tela de Login.
  • Exatamente como a de outro jogo da Blizzard (WoW e Starcraft 2).
Tela de Seleção de personagens.
  • Bastante limpa, mostra detalhes do útlimo herói usado e opções para troca de personagem (lembra WoW).
  • Ao clicar no herói, são mostradas estatisticas detalhadas de monstros mortos, monstros especiais também detonados, qual o nível de dificuldade já enfrentado em determinado ato e barra de comparação de horas jogadas com cada classe.
  • Opções de personalização de personagem: selecionar classe e selecionar sexo. Ponto. Concordo com a objetividade, e acho que o Diablo não precisa seguir a influência Koreana de personalização de rostinhos durante a criação de personagem.
  • Fácil acesso a botões para alterar a privacidade do seu jogo (Público, Privado ou "Apenas Amigos")
  • Botão para busca de jogos públicos.
  • Ao lado direito inferior, o clássico messenger cross-game que a Blizzard possui (e já funciona entre Starcraft 2 e WoW). Ainda não possuo amigos jogando para testar.
  • Botão de Auction House, no mesmo canto.

Primeiras Impressões

Não foram as melhores. A Blizzard estava fazendo manutenção pesada nos servidores. Em certo momento tive que matar o processo do Diablo III e ao tentar conectar novamente recebi a mensagem ERROR_359000. Na hora pensei: Eita porra?!?!?! Será que fui banido!?!? Depois dando uma Googlada, descobri que era erro no lado do servidor.

O lag inicial do jogo era grande, pra não dizer bastante irritante. Por alguns momentos achei que fosse meu hardware que estava "engasgando", mas não era. Tudo agora passa pela Battle.Net. Qualquer passo dado com o personagem ou item juntado do chão é salvo lá, e ter que logar para jogar no modo singleplayer é o menor dos problemas.

Entrei no fórum da Blizzard e vi mais pessoas reclamando. Ao entrar em qualquer caverna durante a exploração de mapa (mapas alternativos e aquele negócio de explorar para conseguir itens), eu caia na tela de "Downloading Content" e tinha que matar o processo.
E o momento quando meu Monk morreu no meio da treta?!

Tudo está rodando bem agora, porém os primeiros dias de gameplay de Diablo III não foram muito prazerosos; já melhorou bastante.

Finalmente consegui jogar. É uma sensação muito boa mandar um Leap Attack no meio do "mosh pit de esqueletos" gritando "Your gods are weak" e com uma Espada de duas mãos relembrar do gameplay de um Bárbaro. Fazer tudo isto sem medo de travar em alguma operação de rede.

Durante ao fim de semana os servidores da Blizzard ficaram indisponíveis várias vezes, mas fazer o que, é Beta e estão testando funcionalidades. Já houve um "wipe" de personagens há algumas semanas (quando eu ainda não tinha a key) e tenho certeza de que não será o último, então não estou criando vínculos afetivos com meus personagens, hehehe.




Impressões do Jogo.

Estas foram algumas impressões que tirei e as mostrarei em forma de lista/brainstorm. Como jogador, curti, como entusiasta de Diablo, curti bastante.

  • Mesma jogabilidade. De cima, clica mata, objetiva, nada de WSAD para movimentar. Já prepare o mouse reserva se você é um daqueles teimosos tipo eu que não consegue clicar e segurar e tem que espancar o mouse.
  • Sistema de chat à esquerda que mostra conversação e transações em itens, como qualquer outro RPG de hoje em dia.
  • O cinto de poções agora é um sistema de atalhos onde você pode também atribuir skills, não limitando o jogador ao clique esquerdo e direito.
  • Paleta de cores? Perfeita. Não está "coloridinha" como alguns sites fizeram a previsão. Está sombria e com pouco contraste como é da série Diablo. Logicamente que algumas coisas possuem cor a mais como bolas de fogo, explosões, entradas de cavernas, baús mágicos; não sejamos hipócritas.
  • Conversas com NPCs mais dinâmicas e podem ser puladas. Alguns NPCs "não tão importantes" narram o que estão fazendo enquanto você passa. Frases do tipo - Jogue estes corpos na fogueira, para evitar que a peste se alastre - são escutadas. Ponto para a imersão no jogo.
  • Lore: Toda a vez que você encontra um tipo de monstro novo, uma entrada é adicionada ao seu livro de conhecimentos sobre monstros e uma narração sobre as habilidades e hábitos dos mesmos inicia. Imersão, de novo.
  • Slots de equipamentos aumentaram. Punhos, Ombreiras, Calças manterão o jogador por mais tempo "farmando" equipamento.
  • Mapas não são mais formados por retângulos (exceto construções), fazendo a tática de explorar primeiro as bordas ficar ineficiente.
  • Minimapa eficiente, até abolindo a necessidade de apertar TAB para achar as coisas no mapa maior.
  • NPCs com quests disponíveis possuem pontos de exclamação na cabeça e um "asterisco", se você já adquiriu a quest e precisa executar algum passo antes de conversar novamente.
  • Shrines clássicas para aumentar ganho de experiência, ataque ou defesa como as encontradas abundantemente no ato I do Diablo II. Fera mesmo foi o Healing Shrine fazer o mesmo som do Diablo I.
  • Fazer sequências de maior número de monstros mortos sem grande pausa, maior número de monstros mortos com apenas um golpe e destruição de cenário dão experiência adicional, lembrando do clássico "Killing spreeeeeeeeee" daquele famoso jogo de tiro.
  • Durante as mortes, "healing orbs" caem no chão. Não se engane, pois eles não farão com que você dispense o uso do bom e velho "healing potion".
  • Consegui até o momento empilhar 12 Healing Potinos em apenas um slot do antigo cinto, que agora é a barra de atalhos. Acho que isto é um sinal de que não teremos cintos de 5 andares.
  • Monstros brotam de fendas no chão, se desenterram, pulam janelas para entrar em combate evitando aquele pelotão parado esperando contato. Alguns monstros até viram outros monstros quando você os mata (matando alguns zumbis, eles viram "torsos" e se arrastam no chão).
  • Sistema de achievements mantém o jogo divertido e dá motivação ao jogador para tomar atitudes ousadas (até mesmo suicídas) dentro do jogo. Ainda estou tentando fazer a de matar 20 mobs em um único golpe.
  • Side quests durante o jogo obtidas em Jars (como resistir a ondas de esqueletos) e bônus quests valem a pena serem feitos, visto a quantidade de experiência que dão. Sim, quests agora dão experiência o suficiente para voce fazê-las e deixar de ser um rusher.
  • Itens mágicos (azuis) já vem identificados. Não sei se isto é um detalhe apenas do Beta ou se será assim também na versão final do jogo. Itens raros (dois até agora) precisei identificar.
  • Sistema de Auction House funcionando. Comprei itens pois recebi 50 de uma moeda virtual, mas não posso entregar o item a nenhum dos meus personagens.
  • Sistema de Ofícios (Craft). No início pareceu bem útil, visto que consegui atualizar o equipamento do meu Bárbaro e pegar a última espada de duas mãos possível no Beta.
  • Sotaques diferentes nas falas dos personagens.
  • Cubo de reciclagem, que te permite destruir itens para que virem material para que você crie os outros.
  • A não necessidade de "colar um adesivo no ALT" para que você veja os itens. Basta um toque que tudo ficará visível por alguns segundos.
  • Inventário onde basta passar o mouse em cima de itens para que eles sejam comparados com os já equipados.
  • Invocação de Companions que fazem o auto-loot de dinheiro. Isso poupa tempo e hardware (no caso, mouse).
  • Sistema de Mercenários parece bacana. Um mercenário no qual você decide as habilidades que ele ganha em determinados níveis e você pode equipá-lo com conteúdo para a arma, mão inábil, dois anéis e amuleto. Não possuo mais informações, pois você ganha apenas um em uma missão e não pode trocá-lo ou testar outro tipo de mercenário
  • História bacana, evitando chavões. Mesmo sendo hack´n slash um mínimo de história é o desejável.
  • Ao passar dos níveis você ganha slots novos de habilidade e as habilidades em si, onde cada classe possui três grupos distintos. Tais habilidades devem ser equipadas em um Nephalem Altar na cidade. Ponto para a flexibilidade, pois as habilidades podem ser mudadas de acordo com a necessidade, mas ao mesmo tempo não são mudadas durante o combate. A única excessão aqui é quando você adquire um slot novo para habilidade durante a troca de nível; você pode equipar uma habilidade e pronto. Alterar, apenas perto de um destes altares.
  • Adivinha quem precisa ser resgatado de NOVO!?!?! - Ele mesmo!
  • E depois disto, o Skeleton King é o ponto final da jogatina do Beta.
  • Entrei em alguns jogos públicos e é bastante divertido.

Pois bem, este é o sobrevôo sobre o Diablo III Beta. Aguardem a próxima matéria onde o foco será o gameplay com descrição das classes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário