Ads 468x60px

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Dica.: Coisas que você precisa saber sobre um HDD!

Primeiramente, deixo registrado que a intenção aqui não é dispor um texto completo sobre HDDs, mas sim explicar algumas coisas básicas que, na maioria das vezes, não são ensinadas e podem ajudar muita gente a evitar dores de cabeça. Para explicações detalhadas do funcionamento de HDD, acessem os links da fontes dispostos no final deste post.

O HDD (Hard Disk Drive ou "Disco Rígido")

É nesse dispositivo que os dados são armazenados e, infelizmente, é a peça mais frágil de um computador. Digo infelizmente porque quando algum problema é apresentado, frequentemente dados muito importantes são perdidos (tese de doutorado perto de finalização, fotografias das férias, trabalho de pesquisa de 4 anos etc). As vezes, um serviço de recuperação dá conta do recado, mas o preço cobrado só aumenta a sensação de perda. Quem já precisou recuperar dados de um HDD sabe disso.

Mas afinal, o que faz o HDD ser tão frágil? Para começar, pense que o funcionamento é mecânico e, portanto, há desgaste natural das peças em decorrência do uso. Mas um detalhe, provavelmente o mais importante, é o fato de que a agulha de leitura é milimetricamente posicionada para "descanso" (momento em que o disco não está em funcionamento). Para se ter uma ideia de como o sistema todo funciona, pouco antes de o disco começar a girar um colchão de ar é criado para que haja uma separação entre a agulha e a placa magnética (os famosos "discos"). E mais, a montagem do dispositivo é realizada em salas especiais (teoricamente livre de impurezas) com o intuito de que não haja poeira dentro da carcaça do HDD. Há ainda alguns outros fatores que contribuem para a fragilidade do HDD, mas provavelmente os dois mencionados são os que mais contribuem para tal.

Uma pergunta que aparece com frequencia é "qual HDD comprar?". O fato é que criou-se um mito muito forte sobre as marcas, mas a verdade é que a escolha poderá depender muito do objetivo para o qual o disco será destinado. Com relação a performance (velocidade de leitura e escrita), aí sim há marcas melhores que outras, mas se o foco é esse talvez a melhor escolha seja um dispositivo SSD (Solid State Drive) apesar de, geralmente, ele ser mais caro que um HDD convencional. Para armazenamento de grandes quantidades de dados, um HDD magnético ainda supre as necessidades, mesmo porque por um preço menor consegue-se uma capacidade de armazenamento muito maior.

Mas e quanto à confiabilidade? Provavelmente é justamente esse o foco do "mito". Por conta de marca X ser melhor que marca Y em performance, por tabela a marca X também pode acabar sendo considerada mais confiável. Acontece que, para aumentar a performance de um disco magnético, além de ser necessário criar uma banco de memória auxiliar, a chamada memória cache, é preciso uma velocidade de rotação de disco relativamente alta. Velocidades altas de rotação aumentam a temperatura e, consequetemente, o desgaste do motor. No final das contas, se o objetivo final é armazenar dados, talvez um disco com velocidade de rotação reduzida seja a melhor opção. Sim, será mais lento para leitura e escrita, mas a confiabilidade teóricamente é maior. Em nota extra, um disco com velocidade de rotação menor, além de funcionar em menor temperatura é bem mais silencioso.

Dicas para Prevenção de Problemas
 
Conforme mencionado, por ser um sistema mecânico com desgaste natural, um HDD eventualmente falhará. A pergunta "Quando?" provavelmente veio à sua cabeça e com certeza é a pergunta chave. Como não é possível saber precisamente quando isso ocorrerá, a melhor coisa a se fazer é monitorar a "saúde" do equipamento. Existem programas que são utilizados para informar alguns dados relacionados aos discos instalados na máquina. Basicamente, esses programas utilizam informações presentes no próprio hardware, por meio da tecnologia SMART (Self-Monitoring Analysis and Reporting Technology).

Os número informados por essa tecnologia não são capazes de informar com precisão quanto tempo o dispositivo durará, mas dependendo dos valores apresentados eles podem ser um forte indicativo de que o disco está prestes a falhar. No entanto, essa tecnologia normalmente não funciona bem para discos externos, pois um problema físico (causado por uma queda, por exemplo) pode acontecer e a tecnologia depende de tentativas sem sucesso para que os valores sejam atualizados. Nesse caso, a utilização de um aplicativo que realize testes mais completos é indicada.

Então, vamos a algumas dicas antes de listar alguns programas.
  • A primeira e mais importante de todas é: faça backup de seus dados mais importantes com certa frequência.
Alguns possíveis questionamentos relacionadas a essa dica:

1 - ONDE fazer backup?
Essa é, provavelmente, a mais difícil de ser respondida. De fato, não é algo simples. Uma possibilidade é a utilização de pen-drives, principalmente pelo relativo baixo custo desses dispositivos hoje em dia. Mas atenção, tal opção não deve ser utilizada se o pen-drive é usado constantemente pois a vida útil dele será bastante reduzida. O usar constantemente aqui não diz respeito necessariamente a gravar e regravar os dados, mas sim em ligar/desligar (plugar e desplugar). Um Outro HDD, externo ou não, é outra possibilidade mas, como já dito, é peça extremamente frágil e requer cuidados muito especiais. Dependendo da quantidade de dados, é possível utilizar um serviço de armazenamento online (na nuvem); listarei alguns deles no final do post. Há uma grande quantidade de outras opções, mas muitas delas acabam sendo inviáveis para uso doméstico ou até mesmo por pequenas empresas. Dados muito importantes que são usados com frequencia devem ser salvos em mais de um lugar; são as chamadas Cópias de Segurança.

2 - Com qual frequência devo realizar os backups?
Bom, isso depende muito de como os dados são atualizados e qual é a importância de cada atualização realizada. O que deve-se ter em mente é que quanto maior a frequência dos backups, maior é o custo. Mesmo porque, se existe um volume muito grande de dados, o tempo gasto será relativamente alto. É bastante comum fazer o agendamento de tarefas de backup durante a noite.

3 - Que mecanismo de backup utilizar?
Alguns HDDs externos possuem um botão que realiza backup automaticamente e tal funcionalidade depende de algum software, o qual normalmente é fornecido com o dispositivo. Existem outros programas especializados para realização de backup e há, também, a opção de realizar os backups todos manualmente.
  • Utilize um programa para verificar, periodicamente, os valores SMART de seu(s) disco(s). Se for o caso de um HD externo, utilize um programa para testes mais detalhados.
  • Comprou um HD novo? Após formatação, faça, quase que obrigatoriamente, um teste de confiabilidade por meio de um programa de testes detalhados no disco.
  • Tente utilizar algum sistema de resfriamento bom (cooler, por exemplo). Por mais que seja controverso, temperatura alta em um HDD reduz a vida útil dele, sim. Pense que com o aumento de temperatura, há dilatação das peças, além de outros fatores (alta temperatura afeta condutividade elétrica dos materiais).
  • Se o HDD for externo, muito cuidado com a manipulação. Tente sempre acomodar o disco e encaixar os cabos ANTES de ligá-lo. Quando o motor estiver funcionando, evite a qualquer custo manipular o HDD. Pancadas na mesa podem ser bastante prejudiciais, principalmente se o dispositivo estiver em pleno funcionamento.
  • Por mais óbvia que seja, essa dica precisa ser dada: JAMAIS deixe seu disco cair no chão! Se a agulha sair do lugar, o problema é sério e a chance de recuperar os dados é pequena, até mesmo para os profissionais mais competentes.
  • Em caso de falha do disco, evitar tentativas sucessivas de leitura. Desligue-o imediatamente e leve a um profissional em recuperação de dados (caso haja algum dado muito importante). Ou você pode aproveitar as peças para fazer projetos bacanas com a sucata, efetivamente perdendo o que estiver armazenado! rs
Certo, agora que você já sabe alguns procedimentos que poderão salvar seus preciosos dados, abaixo segue uma lista de programas em ordem aleatória e que são gratuitos. Tenha em mente que essa lista está longe de ser completa e, muito provavelmente, há opções melhores.

Para leitura dos valores SMART:

Crystal Disk Info - Windows.
GSmartControl - Linux, Mac e Windows.

Para testes detalhados:

SeaTools - Windows e por meio de disco de boot. Esse é um programa oficial da Seagate e é necessário sua utilização para gerar códigos quer permitam acionar garantia. Essa é A ferramenta a ser utilizada em um disco novo (teste de confiabilidade). Tenha certeza de executar o teste completo, que demora bastante tempo (perto de 6 horas para um disco de 2 TB).
GSmartControl - Linux, Mac e Windows.

Para Backup:
Toucan - Windows 
Bacula - Linux, Mac e Windows

Armazenamento online:

Dropbox - Serviço gratuito que oferece até 16 GB. É necessário realizar algumas "tarefas" para alcançar essa capacidade, mas todas elas sem custo. Há planos pagos que oferecem volumes maiores.
ADrive - Oferece 50 GB no plano gratuito.
Quem sabe, no futuro, o Google Drive?


Para mais informações sobre HD (efetivamente, referências):
How Stuff Works
Storage Review

E aí, gostou das dicas? Achou o post interessante? Então considere compartilhar, clicar no botão "curtir" do Facebook e "+1" do Google! =D

Nenhum comentário:

Postar um comentário