Últimas Notícias

Artigo.: Por que a Apple parou de inovar?

Depois do evento realizado pela Apple no dia 12 deste mês (12/09), voltado à apresentação de novos iPhones e Apple Watch, me veio a ideia de escrever este post por ter ficado bastante decepcionado com a grande maçã branca. Inclusive, até escrevi uma publicação no Facebook, no dia do evento, que gerou alguns questionamentos de amigos meus com relação ao meu posicionamento. Por isso, decidi mostrar para vocês por que a Apple parou de inovar!

Começo este post com a publicação na nossa página no Facebook que fez uma galera me perguntar se eu não estava pegando um pouco pesado com a Apple:


Para explicar o porquê de a Apple ter parado de inovar e mostrar que isso não é coisa de hater, vou precisar voltar um pouco no tempo e contar parte da história da empresa.
Se você está lendo este post, com certeza sabe quem foi o principal gênio idealizador e fundador da Apple: isso, Steve Jobs. O Steve Wozniak também é um gênio e teve um papel fundamental na criação da Apple, mas vou falar da grande maçã branca na era Jobs porque foi quando ela atingiu o patamar de empresa mais valiosa do mundo.

Steve Jobs era um visionário e pagou um preço alto por isso muitas vezes. Por ser um cara muito à frente do seu tempo e ter uma cabeça incompreendida, chegou a ser afastado do comando da empresa que ele mesmo fundou depois de chefiar o desenvolvimento e lançamento de alguns produtos considerados grandes fracassos na época. O grande "problema" de Jobs é que ele não queria criar produtos comuns ou copiar os que já existiam no mercado só pelo dinheiro, ele sempre quis ir além do que o mercado oferecia (ainda bem).

A Apple passou por maus bocados após o afastamento de Jobs de seu comando e quase foi engolida pela IBM. Com a empresa à beira da falência, a diretoria convidou Jobs a retomar o cargo de CEO e o deu carta branca para que fizesse a Apple crescer novamente. Jobs, então, reduziu o número de produtos oferecidos pela empresa para menos da metade e montou uma equipe com funcionários do próprio quadro da Apple para a criação de um novo produto revolucionário e de design único. A iniciativa não só deu certo como fez a grande maçã branca ressurgir das cinzas e marcou o seu retorno ao mercado computacional! Isso aconteceu no ano de 1998 e o produto apresentado por Jobs, o qual salvou a Apple da ruína, foi nada mais nada menos que o iMac G3 Colors.


O iMac G3 foi o primeiro computador pessoal ALL-IN-ONE (tudo em um) com tela colorida a ser lançado no mundo e que revolucionou o mercado na época. E foi assim que, da cabeça de um gênio, nasceu o iMac, desktop all-in-one da Apple.
A partir daí, a empresa se tornou a vanguarda dos produtos tecnológicos e a comunidade toda, principalmente a imprensa, ficava ansiosa quando a Apple anunciava a realização de seus eventos.

Três anos se passaram sem que a Apple fizesse um anúncio impactante de fato, mas o iMac vendia bem e mantinha a empresa em uma boa posição no mercado. Foi aí que a mente do gênio Jobs trabalhou mais uma vez. Tocadores de música portáteis já eram conhecidos e o Discman, tocador de CDs portátil, era uma febre na época. Dizem que Jobs estava caminhando pelo campus da Apple quando deixou seu Discman cair no chão por ser algo grande e que não cabia em um bolso normal. Ele, então, pensou como seria ter centenas de músicas armazenadas em um aparelho pequeno o suficiente que coubesse no bolso. Eis que em 2001, foi a vez da indústria musical sofrer uma revolução: Jobs apresentava o iPod Classic com sua clickwheel mágica!

De 2002 a 2006, a Apple lançou diversos produtos que considero fantásticos: iMac G4, iMac G5, Airport Express, iPods Shuffle, Mini e Nano, e os Mac Minis. No entanto, nenhum desses produtos foram revolucionários de fato.
Mas foi em 2007 que o mundo parou para ver Jobs (no palco da MacWorld) mudar a indústria de smartphones para sempre: o primeiro iPhone era lançado! Tela touchscreen capacitiva, sensor de proximidade, acelerômetro, um sistema operacional complexo... Pois é, nada disso existia. A Apple, simplesmente, revolucionou o mundo dos smartphones. Portanto, agradeça à Grande Maçã Branca por ter um aparelho com tela touchscreen capacitiva, pois essa tecnologia chegou a ser patenteada pela empresa.


No ano seguinte, em 2008, mais uma vez a Apple surpreendeu com alguns lançamentos: MacBook Air, MacBook Pro com chassi unibody de alumínio, iPhone 3G, iPod Touch e Time Capsule. Já em 2010, Jobs apresentou o iPhone 4 ao mundo (com tela e tampa traseira de vidro e chassi de alumínio) e que trazia um recurso inédito ao mercado de smartphones até o momento: um sistema próprio de videochamadas, o Facetime. Em 2011, Jobs subiu ao palco da WWDC pela última vez na sua vida para apresentar o iPad 2. No mesmo ano, mais precisamente no dia dez de maio de 2011 (10/05/2011), Jobs saia de cena e entrava para a história com uma das mentes mais brilhantes de todos os tempos.

Com a morte de Steve Jobs e a ascensão de Tim Cook ao comando da Apple, a empresa alterou totalmente o seu plano de negócios. Como já mencionei, Jobs era um visionário, um gênio da inovação; já Tim Cook é um marketeiro graduado em Engenharia de Produção Industrial.
Da era Jobs para a era Cook, houve uma mudança de comportamento gritante da empresa a qual deixou de ser vanguardista -  aquela que, geralmente, dita os rumos que o mercado deve tomar e é copiada pelas concorrentes - para ser copista e focada no lucro (e só no lucro).
Lembrando que a era Cook só começa de fato em 2013, pois Jobs havia deixado um legado de novos projetos de produtos para serem lançados após a sua partida; como se fosse parte de um plano sucessório para Tim Cook.

Querem ver como não é coisa de Hater? Consegue pensar em algum grande lançamento da Apple que revolucionou um determinado campo ou mercado a partir do ano de 2013? Um iPhone de baixo custo (o fracassado - low budget - iPhone 5C)? iPad Mini? iPad Pro? Apple Watch? Os fones AirPods? MacBook Pro com controle touch de seleção de cor? Pois é, meus amigos, nenhum desses produtos sequer influenciou algo quanto mais revolucionar.
Querem mais exemplos? Ok, então vamos lá!
  • iPad Pro com uma caneta stylus: cópia de mesas digitalizadoras (Bamboo e outras);
  • iPhone com maior aproveitamento de tela: cópia do Galaxy S8;
  • Desbloqueio de tela com a face: cópia do Galaxy S8 que desbloqueia por face ou iris;
  • Câmera dupla com desfoque de fundos após foto tirada: cópia dos Galaxy Note 8 e S9;
  • iPhone XS Max com versão de até 512 GB: cópia do Galaxy Note 9 (pode ir a até 1 TB);
Nunca fui fanboy e tão pouco sou hater da Apple, tanto que já tive iPhone, tenho um iPad 3 e um MacBook Pro. Eu realmente queria que a Apple voltasse a ser a empresa inovadora de Steve Jobs, mas parece que essa função, agora, está a cargo da Samsung.
Então, por que a Apple ainda vende tanto? Bom, alguns dos principais motivos que explicam esse fenômeno são: a existência de quase um culto à grande maçã branca por parte de usuários fiéis à empresa; aversão à mudança de sistema (seja iOS ou OS X); a fama da marca; e um pseudo "status" que a marca dá (por ter produtos extremamente caros).
Sinceramente? É muito triste ver uma empresa que era referência em tecnologia se transformar em uma copiadora de funcionalidades que só visa o lucro.
Por que a Apple parou de inovar? Simples, porque Steve Jobs era a Apple e a empresa apenas refletia sua genialidade traduzindo-a em produtos.