Ads 468x60px

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Filmes.: O Hobbit, um filme como você nunca viu. (ATUALIZADO)


Dizem que Titanic revolucionou o cinema devido à bilheteria recorde da época e por ter ganhado 11 Oscars. "Ah, mas, Naná, O Senhor dos Anéis também ganhou 11 Oscars e a qualidade das imagens é muito melhor! O Senhor dos Anéis que revolucionou o cinema". Outros vão dizer "Nada disso! O maior marco foi, sem dúvida alguma, Avatar! O 3D desse filme ficou impecável! O James Cameron se superou!". Acreditem, eu já ouvi todos esses comentários. Titanic, O Senhor dos Anéis, Avatar... Qual foi a maior revolução do cinema? Eu respondo; ela ainda está por vir: O Hobbit (The Hobbit).

The Hobbit, An Unexpected Journey vai vir com tudo! Não só porque é mais uma adaptação de um dos mais bem sucedidos livros do eterno Tolkien, mas porque ninguém nunca ousou filmar um épico desse da forma como foi filmado. Esqueça por um momento os super efeitos especiais de que são feitos filmes. Assim, imagine o filme cru, rodado a 24 quadros por segundo (FPS). Imaginou? Ele é bom mesmo assim, não é? Agora pasme: O Hobbit foi filmado a 48 quadros por segundo! Não, você não leu errado: 48 quadros por segundo! Peter Jackson, diretor do filme, foi além do 3D: abriu mão da câmera Red EPIC e filmou todas as cenas em resolução máxima. O resultado? Cada um dos 265 dias de filmagem gerou de 6TB a 12TB de imagens e um 3D com qualidade muito superior ao atual.

O maior "problema" gerado por essa grande produção é que os cinemas que quiserem exibir o filme O Hobbit, vão ter que fazer um upgrade de hardware em suas salas de projeção. Os projetores atuais só suportam cadências de 24 frames por segundo, padrão utilizado desde os anos 20 quando os filmes sonoros começaram a ser produzidos. Antes, na era dos filmes mudos, as produções eram filmadas com cadência de 16 frames. A vantagem desse upgrade é que todos os filmes, mesmo os rodados em 24 quadros, serão projetados com imagens mais limpas e nítidas. Quem sai ganhando somos nós! \o/

*Momento chato do post* A Warner fez uma pequena exibição de cenas durante a Cinemacon, em Los Angeles, e causou estranhamento nas pessoas que assistiram. Segundo alguns críticos (malditos sejam!),  as imagens pareciam ter sido feitas para "televisão HD", tirando a magia da reprodução do filme na telona e que não existem borrões de movimento, tornando-o nada cinematogáfico. *Fim do momento chato do post*

Opinião da autora do post

Na minha opinião (minha, não do RN), que se danem os críticos! Quero mesmo é filmes com a melhor qualidade possível. Já temos televisões HD que têm imagens perfeitas, jogos de PC/consoles nos quais os gráficos são bem realistas, sem falar nos filmes em Blu-ray. Duvido que esses críticos não gostem da imagem limpinha que o blu-ray nos proporciona, ainda mais quando é exibido nas TVs HD. Aposto que todos têm um aparelho Blu-ray equipado em uma TV HD de, no mínimo, 50" na sala da casa deles. ¬¬

Bom, eu não vejo a hora de chegar dezembro e com certeza estarei na estréia conferindo essa revolução tecnológica do cinema. The Hobbit, An Unexpected Journey estréia dia 14 de dezembro e a sua continuação There and Back Again estará nas telonas no ano que vem.

Para você ficar mais ansioso (a), assim como eu, pela estréia do filme, assista ao trailer que foi lançado em dezembro do ano passado:



P.S.: Outro dia eu faço um post falando da história e do elenco do filme ;)
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Atualização:

Como eu disse anteriormente, a Warner Bros. fez uma mostra de 10 minutos de cenas de O Hobbit na Cinemacon e os críticos não gostaram.
Eis, então, que ontem mesmo o estúdio liberou uma nota oficial. Trata-se de uma saudação gravada do diretor Peter Jackson que defende e explica um pouco sobre as filmagens do seu filme. Ele diz que a velocidade de 24fps se tronou padrão e que, hoje, a tecnologia permite gravação em velocidades mais altas.
Explicou também que a velocidade de 48fps é mais próxima de como nós, humanos, vemos o mundo.

"Como cineasta, sempre quero criar um forte senso de realidade para permitir que o público se absorva em qualquer história cinemática que estou apresentando. Filmar e projetar a 48 fps dá a ilusão de que um buraco foi aberto na parede do cinema, e você vê a história se desenrolar com um senso de realidade. É ótimo para 3D; Eu vejo as filmagens diárias em 48 fps para O Hobbit: Uma Jornada Inesperada em 3D há mais de um ano e, com a redução do efeito estroboscópico e da cintilação, torna-se uma experiência muito mais suave para os olhos. A velocidade de 48 fps não se limita apenas ao 3D. Um filme rodado em 48 fps parece fantástico quando projetado em 2D, e aceita bem a conversão para 24 fps."

O presidente de Distribuição Doméstica da Warner Bros. Pictures, Dan Fellman, disse que "24 fps tem sido o padrão da nossa indústria nos últimos 80 anos, então este é um avanço emocionante. Não é nenhuma surpresa que Peter Jackson, com o seu compromisso com a inovação, seja o primeiro diretor a utilizar 48 fps em grande escala. É igualmente gratificante ver a comunidade de exibidores aceitar este avanço".

Independente do que disseram os críticos, os fãs de cinema e dos livros do Tolkien esperam ansiosamente por essa estréia. ^^



[Fonte: Tech Mundo e Cine Pop]

5 comentários:

  1. Esses críticos que reclamaram aposto que são aqueles que acham o som dos discos de vinil melhores que o cd por causa dos ruídos. Típico de quem não acompanha a evolução. Parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou do post, Max. Espero que continue conosco, aqui no RN. Você será sempre bem-vindo! ^^

      Excluir
  2. Que venham os 48fps, os 60fps, coloquem 120fps! A tecnologia não pode ficar parada!

    ResponderExcluir
  3. Sobre a aversão de alguns aos 48 fps de "O Hobbit, uma jornada inesperada".

    Não entendo essa rejeição ao novo, até antes mesmo de ter checado-o.
    A seguir essa mentalidade, de que o "padrão" do cinema é xx quadros, essa estética é que o tor
    na arte, essa é forma com que vem sendo feito há anos, e com a qual se criaram obras-primas, etc... estaríamos ainda produzindo e assistindo a filmes em 16 fps, preto e branco e mudos...
    Eu torço é pra que cada dia evolua mais, mude pra melhor (sei, isso é subjetivo)... mas a tentativa de melhorar de fazer algo mais, é que traz avanços. Algo que não sou, é apegado ao passado... antigamente é que era bom, antes... blá blá...
    Vejam na imagem abaixo a explicação do próprio Peter Jackson, sobre o HFR (48 fps), e por que o 24 fps foi adotado como padrão, com o advento dos filmes sonoros (não tem nada a ver com arte e sim com custo):
    http://www.cinepolis.com.br/institucional/HFR%203D%20Peter%20Jackson.jpg

    ResponderExcluir
  4. Apoiado, William, concordo plenamente com o que você falou! Cara, o filme ficou simplesmente lindo em 48 FPS!

    ResponderExcluir